Iron Maiden: Uma das maiores companhias musicais que crescem na Inglaterra

Sim, é isso mesmo que você leu. A Bolsa de Valores do Reino Unido publicou ontem, 29/11, o relatório intitulado 1.000 Empresas para Inspirar a Grã-Bretanha, onde o Iron Maiden é citado como uma das companhias musicais que mais crescem na Terra da Rainha.
Segundo o respeitado jornal The Guardian, a Iron Maiden LLP, empresa que administra todos os negócios e bens do grupo, é uma das seis dedicadas à música no país com faturamento superior a todas as outras do setor. De acordo com o site da Bolsa de Londres, a Iron Maiden LLP possui ativos no valor de £6,8 milhões (R$ 25,7 milhões) e patrimônio líquido de £11,4 milhões (R$ 43 milhões).
O relatório atribui o sucesso da banda à sempre crescente base da fãs em todo o planeta, com destaque para as informações que o grupo colhe em suas redes na internet e transforma em estratégias rentáveis. Nos 12 meses terminados em 31 de maio de 2012, a banda atraiu mais de 3,1 milhões de fãs nas mídias sociais, e durante a turnê mundial Maiden England, de junho de 2012 a outubro de 2013, a base de fãs online cresceu em cinco milhões, principalmente na América Latina, de acordo com dados da Musicmetric publicados pelo Guardian.
O Brasil, como não poderia deixar de ser, tem participação ativa em todo esse sucesso. Quem conta é Greg Mead, presidente da Musicmetric: “Dados de BitTorrent do Iron Maiden sugerem que o Brasil é uma grande base de fãs — e considerando que o Brasil é um dos países que mais compartilha músicas no mundo, esse é um forte indicador de popularidade. Com as turnês constantes, o relatório sugere que o Maiden teve sucesso em transformar gente que baixa arquivos de graça em fãs que compram ingressos para shows. Essa é uma prova clara de que fazer turnês mundiais pode valer a pena. E mostra como ter os dados sobre onde está sua base de fãs será cada vez mais vital.”
Se alguém ainda duvidava do tamanho e do que representa a banda liderada por Bruce Dickinson, Steve Harris e Rod Smallwood, aí está a prova definitiva.

Comentários