ESPECIAL TON WEB ROCK APRESENTA: PANTERA


Hoje à partir das 21:00 h.

Pantera foi uma banda popular de thrash metal, originária da cidade de Arlington, Texas, EUA.


Formada em 1981, a banda atingiu muito sucesso após a segunda metade da década de 80 quando a popularidade do heavy metal começava a cair. 

Inicialmente fazendo um som mais voltado ao glam hard rock, partiram então para o som mais pesado do metal moderno (ou o chamado “power-groove”, termo cunhado pela própria banda pois boa parte de suas músicas possuíam riffs marcantes).

O Pantera lançou três discos (Metal Magic, de 1983, Projects In The Jungle, de 1984 e I Am The Night, de 1985) antes de demitir o então vocalista Terry Glaze para a entrada de Phil Anselmo no quarto disco, Power Metal, de 1988. 

Na época, Glaze teria sido informado sobre assinar com uma gravadora pertencente a Gene Simmons do Kiss, mas Terry rejeitou o contrato e foi mandado embora. Os membros restantes encontraram Phil Anselmo em Nova Orleans e produziram Power Metal, uma gravação onde Phil regravou algumas canções cantadas originalmente por Glaze, além de algumas originais.

De Metal Magic até I Am The Night, a banda seguiu pelo caminho do glam metal, porém com a entrada de Phil Anselmo nos vocais (que havia saido de uma banda de hard rock de Nova Orleans chamada “Razor White”, que lançou um disco com outro vocalista por volta de 1991), tomaram a decisão de partir para um som mais pesado. Com Power Metal, alguns riffs do thrash metal são notados em músicas como ‘Over And Out’ e ‘Death Trap’, enquanto algumas músicas no estilo hard rock e com apelo mais comercial ainda persistem, como ‘Hard Ride’ e ‘Proud To Be Loud’.

Em 1989, a banda assinou com a gravadora ATCO, após um executivo da gravadora ter ficado impressionado com um show da banda. O material novo visto pelo executivo, era um repertório com as músicas antigas mais pesadas e as novas que eram mais pesadas ainda. Alguns ‘bootlegs’ com shows dessa época são encontrados na internet, e ironicamente chamados de “Glamtera”, devido ao visual ainda “poser”.

O primeiro álbum de sucesso comercial foi Cowboys From Hell, de 1990. Neste ponto, a música do Pantera ainda era fortemente influenciada por heavy metal clássico, com vocais ao estilo de Rob Halford do Judas Priest e riffs e solos mais complexos do guitarrista Dimebag Darrell, embora o álbum também tenha começado a demonstrar um estilo muito mais extremo do que os trabalhos anteriores. O thrash metal veio a influenciar esse disco ainda mais, e músicas como “Cowboys From Hell”, “Psycho Holiday” e “Domination” demostram bem isso, enquanto “Cemetery Gates” e “Shattered” ainda demonstram as antigas influências. A banda dava iníco à sua fase de Thrash/Groove ou Thrash Groovado, como denominou o pesquisador musical brasileiro Glaydson Barros.

O álbum de maior sucesso foi Vulgar Display of Power, de 1992, onde os vocais em falsete foram substituídos por vocais gritados mais influenciados pelo hardcore e um som de guitarra muito mais pesado. O disco rendeu a grandes sucessos que tornariam-se hinos da banda, como “Walk” e “Mouth For War”, ambas muito circuladas na MTV. Outras como a violenta “Fucking Hostile” e “This Love, uma balada linda com um refrão bem pesado, seriam mais aclamadas entre os fãs.

A extensão do crescimento de popularidade deste álbum pode ser vista no sucesso instantâneo do álbum seguinte, Far Beyond Driven, de 1994, que estreou no topo das paradas americana e australiana de discos, sendo o primeiro disco de metal a conseguir tal feito, apesar da crise de metal na América na época. Neste disco, o som tomou um rumo mais extremo, com mais berros e solos gritantes, como em “Strenght Beyond Strenght” e “Becoming”. Nota-se a influência de bandas como Helmet na pesada “Five Minutes Alone” (que virou um grandioso sucesso nas rádios e na MTV) e a escandalosa “Good Friends and a Bottle of Pills”. A surpresa para os fãs foi uma cover do Black Sabbath, “Planet Caravan” na última faixa.

O próximo álbum, The Great Southern Trendkill, foi lançado em 1996. O álbum fez um sucesso moderado, especialmente considerando a época em que foi lançado e por ter se direcionado para um lado completamente violento, berrado e brutal da banda. Horas beirando o grindcore berradíssimo em “Suicide Note II”. O disco ficou mais no gosto dos fãs, apesar do que trazia um Pantera diferente dos lançamentos anteriores. A música “Drag The Waters” chegou a rolar de maneira considerativa na MTV, porém a banda cairia em termos de popularidade.

O último disco do Pantera, de 2000, foi Reinventing The Steel, incluindo os singles “Goddamn Electric” e “Revolution is My Name”. Esta última seria a que mais se destacou do álbum, que era mais rock’n roll e traziam outros timbres de bateria e guitarra. “We’ll Grind this Ax for A Long Time”, uma homenagem ao heavy metal em si, cairia no gosto dos fãs.

A banda se dissolveu depois que Anselmo saiu, em 2001. Ele buscaria outros trabalhos com bandas como Down, embora os irmãos Abbott não tivessem terminado oficialmente a banda até iniciar os trabalhos em seu novo projeto, “New Found Power”. Como nas circunstâncias em que Phil Anselmo saiu do Pantera, os membros restantes ficaram no aguardo que ele retornasse, mas isso nunca aconteceu. Ao invés, Anselmo decidiu continuar com uma de suas (muitas) bandas paralelas, o Superjoint Ritual. Após o lançamento do segundo disco desta banda (A Lethal Dose of American Hatred, de 2003), o baterista Vinnie Paul (Abbott) e Dimebag Darrell (Abbott) formaram o New Found Power, que logo após foi rebatizado como Damageplan. O primeiro e único disco do projeto seria o “New Found Power”, lançado em 2003.

O fim do Pantera não foi amigável e, subseqüentemente, a imprensa provocou uma guerra entre “Superjoint Ritual” e “Damageplan”. Entre as acusações plantadas, dizia-se que Anselmo e os irmãos Abbott tinham dificuldades em concordar sobre que direção eles queriam que a sonoridade do Pantera tomasse. Vinnie Paul e Dimebag chegaram a comentar que Anselmo os forçava a fazer as músicas que ele queria, não podendo assim experimentar e arriscar com suas gravações. Além disso, o vício de Anselmo em drogas (ele já chegou a ter uma overdose de heroína) era conhecido por causar turbulências entre a banda. Por fim, como resultado de outros problemas internos, a relação entre Phil e os irmãos Abbott se deteriorava rapidamente de uma forma geral. No meio do fogo cruzado estava o baixista Rex Brown, que participou do segundo disco do Down, A Bustle In Your Hedgerow, de 2002.

No dia 8 de dezembro de 2004, um fanático do Pantera chamado Nathan Gale assassinou Dimebag Darrell a tiros na casa de espetáculos Alrosa Villa, em Columbus, Ohio, quando o Damageplan entrou no palco. Um membro da platéia, uma empregada do local e um segurança da banda também foram assassinados antes que Gale fosse morto a tiros pelo policial James Niggemeyer.

Após a morte de Dimebag, uma reunião do Pantera tornou-se obviamente impossível, mas comentários públicos de Phil Anselmo após o tiroteio sugeriram que ele teria cogitado se reunir com a banda.

Integrantes.

Ultima Formação.

Philip Hansen Anselmo (Vocais, Desde 1987)
Vincent Paul Abbott (Aka Vinnie Paul) (Bateria, Desde 1981)
Darrell "Dimebag" Abbott (Guitarra, Desde 1981)
Rex Robert Brown (Rocker Rexx Aka, Aka T-Rex) (Baixo, Vocais, Desde 1982)

Ex-Integrantes.

Tommy Bradford (Baixo, 1981-1982)
Terry Glaze (Vocal, Guitarra, 1981-1985)
Seth Putnam (Vocais, 1996)
Matt L'Amour (Vocais, 1986)
David Peacock (Vocais, 1986-1987)
Donnie Hart (Vocais, 1981-1982)
Marc Ferrari (Guitarra, Vocais, 1988)

Gravadoras.

Metal Magic.
Atlantic Records.
Eastwest Records.

Comentários